App que reúne problemas urbanos concorre a prêmio

Nunca as reclamações buracos nas ruas deram tanto o que falar. Criada há pouco mais de dois meses, uma startup brasileira levou para as redes sociais os depoimentos de moradores sobre precariedades de instalações públicas, como calçadas e ruas.

O burburinho em torno do site, que já chamou a atenção da prefeitura de Recife, cidade natal dos criadores, levou o Colab à final da segunda edição do App My City, prêmio de melhor aplicativo urbano do mundo (aqueles tentam destravar os nós das grandes cidades).

O evento que escolherá os vencedores ocorrerá em São Paulo, entre terça-feira (4) e quinta-feira (6) e será promovido pela News City Foundation, uma organização não-governamental fundada em 2010 por GE, Ericsson e Cisco para promover práticas que transformem as cidades mais criativas e sustentáveis.

Estão no páreo também o app de trânsito BuzzJourney, de Israel, e o PublicStuff, dos Estados Unidos, um app nos moldes do Colab, mas sem tanta interação entre os usuários.

Com carinha de rede social –o login é feito com a conta do Facebook—,o Colab permite que as postagens sejam classificadas sob três guarda-chuvas: fiscalização, proposição e avaliação.

A primeira delas é a mais recorrente. Dentro dela são apontados, por exemplo, ciclovias interditadas por obras, imóveis ocupados por sem tetos e terminais de ônibus aos pandarecos.

Já a segunda trata de sugestões de ações ao poder público, como a instalação de uma rotatória em uma via para facilitar o trânsito.

A última foi criada para que os cidadãos atribuam “estrelas” aos serviços públicos, que vão desde a limpeza urbana de uma cidade até o funcionamento de determinada escola.

Todos os usuários podem ver quaisquer mensagens. Para facilitar a visualização, a página inicial exibe, a princípio, apenas postagens da cidade ou do Estado do usuário. Para ler o que os recifenses pensam de sua cidade, por exemplo, é preciso alterar a classificação do “feed de notícias”, que pode passar a considerar as publicações mais recentes, as mais comentadas, as de amigos ou as de todo o país.

Crowdfunding
“O Colab não é só o que o cidadão vê. Tem ferramentas para as prefeituras tratarem as informações e controlar se, por exemplo, os problemas foram resolvidos”, afirma Bruno Aracaty, um dos criadores do aplicativo.

No Recife, onde foi lançado inicialmente, todas as demandas postadas pelos usuários são enviadas à prefeitura. Segundo Aracaty, o percentual de resolução é de 5%. Baixo? Talvez, mas já demonstra que a ferramenta tem potencial para  mobilizar o poder público sobre as necessidades expostas diretamente pelos cidadãos.

Essa, aliás, é uma das possíveis fontes de rentabilização do Colab, conta o executivo. A ferramenta pode ser um sistema de ouvidoria pública, a ser utilizada por prefeituras para receberem e controlarem reclamações sobre instalações públicas.

A outras são criar funções que permitam que a plataforma possa ser usada por empresas para que associem suas marcas à uma conduta cidadã e desenvolver um sistema de crowdfunding (financiamento coletivo) para resolver problemas (tapar um buraco, por exemplo). Por último: anúncios.

A startup, que nasceu de uma iniciativa conjunta de duas outras empresas, já tem um plano de negócios e até conversas com investidores iniciais. A equipe a ser formada terá entre 10 e 15 funcionários.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s